Dicas para escolha de pendentes

Dicas para acertar no tipo de peça, estilo, material, design e tonalidade da lâmpada dos pendentes.

Sabemos que os pendentes são os queridinhos quando procuramos um destaque para uma superfície como mesas laterais, de jantar, aparadores, bancadas, criados mudos, valorizar um pé direito alto, ou simplesmente protagonizá-lo em um ambiente.

Antes de sair escolhendo o modelo,  devemos saber qual o objetivo e o uso para que se destinará, por isso realizar o Briefing é muito importante para que seja proposto o projeto ideal para cada cliente.

Alguns fatores devem ser levados em consideração quando se propõe um pendente para um projeto luminotécnico, tais como:

  • Forro de gesso, ou laje? Algumas peças podem ser realmente pesadas, e se o forro do ambiente em questão for de placa de gesso, precisará de um reforço para sustentar o pendente, sem maiores riscos;
  • Posição do ponto de elétrica: Para centralizar o pendente em um ambiente ou superfície específica, podemos nos deparar com pontos prévios de elétrica descentralizados. No caso do forro de gesso, é possível alterar o ponto e centralizar conforme projeto, porém, quando o ambiente é coberto por laje, podemos utilizar o desviador para alinhar a peça ao efeito desejado.
  • O tamanho da peça: nesse caso, não há regras específicas. Em projeto, procuramos equilibrar as dimensões da peça, às dimensões do ambiente que será instalada, ou à superfície a que atribuirá destaque.

DICA EXTRA:

Quando o pendente for colocado sobre uma mesa com tampo de vidro, cuide para que o modelo de luminária tenha difusor para evitar o reflexo direto e intenso.

Escolhendo o pendente para o efeito desejado:

  • Iluminação Geral: Opte por um pendente que emita luz difusa, que irá iluminar o ambiente por inteiro. Cúpulas de tecido deixam a luz suave e aconchegante.
  • Iluminação de Tarefa: Para iluminar atividades específicas, como ler, preparar alimentos, estudos. As cúpulas translúcidas são ótimas opções, emitem uma luz contundente e radiante.
  • Iluminação de Destaque: é gerada quando a cúpula do pendente é feita de um material que não permite a passagem de luz. Assim, toda a luz emitida pela lâmpada é focada para baixo, deixando uma luz marcada.

É normal ter dúvidas na hora de escolher a temperatura da lâmpada para um ambiente. Uma boa iluminação propicia conforto e eficácia e uma escolha errada é capaz de desvalorizar o ambiente e prejudicar completamente o funcionamento do espaço. Vale lembrar que o que influencia no gasto de energia é a potência em Watts.

O que difere uma da outra?

A luz branca proporciona mais contraste, dando a percepção de um ambiente mais claro. Possui maior dinamismo e por tem a capacidade de produzir mais lúmens se comparado ao branco quente por isso é indicada para ambientes que demandam uma atenção maior, locais onde se realizam tarefas, tais como: estações de trabalho, escritórios, bancos, escolas, indústrias e farmácias. Em ambientes residenciais como cozinha, banheiro e área de serviço.

Já a luz quente traz mais aconchego e oferece maior conforto visual. É a tonalidade mais amarelada da luz. Associada às lâmpadas incandescentes, o branco quente tem como característica deixar o ambiente com aspecto de maior relaxamento, pelo fato de produzir um pouco menos de lúmens se comparado ao branco frio.

Essa tonalidade é perfeita para quartos, salas de estar/jantar, para espelhos, camarins, e destaque de quadros ou obras de arte, por ter uma reprodução de cor melhor, por exemplo, deixar a cor do alimento com aspecto mais saboroso ou o tom da pele em sua cor mais natural.

Mas desde que o conforto do usuário esteja em primeiro lugar, podemos sempre deixar a imaginação falar mais alto, e usufruir da enorme quantidade de formas, materiais, cores, e tamanhos que o mercado nos oferece, brincar com contrastes, cores e texturas para projetar autenticidade.

Comentários estão fechados.